Pontilhismo (1885)

Paul Signac - Sunday

O pontilhismo surgiu na França em meados de 1885 como um movimento pós-impressionista, sendo uma reação aos próprios impressionistas. Trata-se de uma técnica de pintura em que o artista fez desenhos e representações usando pequenos pontos ou manchas, dando ao observador, um efeito ótico diferente da pintura convencional.

Os dois principais artistas dessa modalidade foram Seurat (1859 – 1891) e Paul Signac (1863 – 1935). No Brasil, diversos artistas, principalmente do período da Primeira República, utilizaram a técnica especialmente em paisagens e pinturas decorativas, como Belmiro de Almeida, Eliseu Visconti e Rodolfo Chambelland.

Um princípio físico aplicado à pintura

As bases do pontilhismo encontram-se tanto nas idéias de vários físicos do fim do Século 19, entre os quais Hermann von Helmholtz, como na psicologia e na fisiologia da visão, na análise da luz e da cor, e na influência da própria pintura impressionista.

HELMHOLTZ (Hermann VON), físico e fisiologista alemão (Potsdam, 1821 – Charlottenburg, 1894). Descobriu o papel dos sons harmônicos no timbre dos sons, e mediu a velocidade do influxo nervoso.

O pontilhismo foi um movimento pictórico pós-impressionista surgido na França em meados da década de 1880, como reação aos próprios impressionistas e à pintura oficial.

Sua característica central é a decomposição tonal mediante minúsculas pinceladas nitidamente separadas, mesmo a olho desarmado.

Mais realistas do que o rei

Trata-se de uma conseqüência extrema dos ensinamentos dos impressionistas, segundo os quais as cores deviam ser justapostas e não entremescladas, deixando à retina a tarefa de reconstituir o tom desejado pelo pintor, combinando as diversas impressões registradas.

Também conhecido como punctilhismo, divisionismo, cromoluminarismo e neo-impressionismo, o pontilhismo teve como teóricos principais Georges Seurat e Paul Signac.

Signac chegou a escrever um tratado com o título «De Eugène Delacroix ao neo-impressionismo» (1899). Outro representante do pontilhismo foi o italiano Giovanni Segantini.

SEGANTINI (Giovanni), pintor italiano (Arco, 1858 – Schafberg, alta Engadine, 1899). Executou, à maneira divisionista, paisagens de montanhas.

Uma relação complicada

Para os pontilhistas, entre as cores complementares deveria existir sempre uma relação exata, de modo que, a um tom de vermelho, correspondesse outro de verde, e existisse entre ambos uma seção infinitesimal de suporte.

Nesse aspecto, afastavam-se dos impressionistas, que deliberadamente desleixavam tal relação fixa.

A justaposição das cores complementares, segundo um esquema matemático, emprestou ao pontilhismo um aspecto inconfundível, que os inimigos da tendência logo alcunharam de «pintura de confete».

O mestre do pontilhismo

Seurat foi o mais notável dos pintores pontilhistas. Suas telas Um domingo de verão na Grande Jatte, (1884-1886; Instituto de Arte de Chicago), O desfile do circo (1887) e a inacabada obra-prima O circo (1890-1891) são admitidas unanimemente como os pontos culminantes do movimento.

O pontilhismo revelou-se particularmente apto a reproduzir uma atmosfera vibrante, de luz e calor. Foi também, de certo modo, uma das tendências que melhor anunciaram a abstração de cor e forma a que chegaria, anos depois, a pintura ocidental.

Signac produziu muitos escritos teóricos e pintou paisagens, marinhas, cenas de Paris e de outras cidades francesas por onde viajou.

Fontes: Enciclopédia Britânica + Enciclopédia Koogan Houaiss

Comments are closed.

Olá, visitante! Seja bem-vindo ao FASHION e-BOOK DIC & SEARCH, o seu Portal Vertical de Informação! Para ler os posts você deverá estar logado. Se você não tem um login poderá se registrar gratuitamente em nosso site CLICANDO AQUI. Muito obrigado! FASHION e-BOOK DIC & SEARCH VIP